Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

À Sétima é de Vez

Musings of a scientist wannabe, ou um blog pessoal que às vezes fala um bocadinho da vida de cientista.

À Sétima é de Vez

Musings of a scientist wannabe, ou um blog pessoal que às vezes fala um bocadinho da vida de cientista.

...

Lia, o que fazes num fim de tarde solarengo em Paris, quando está tudo a fazer fotossíntese nas margens do Sena?

... enfio-me num museu, faço download do audioguia da exposição e espero que o sol se ponha.

.aquele momento #6

Em que tenho saudades do Google Reader.

Aquilo é que era uma coisa em condições, marchava tudo e nada fica pendurado: ele era blogs, sites de notícias, journals científicos variados... Bloglovin's, Feedleys, Old Readers é tudo assim em pior e mais complicado e aborrecido (mas tenho conta em todos, ok?)

Já lá vão uns anos e nunca encontrei nada que me enchesse as medidas, essa é que é a verdade.

#bestfriendsforever #bringbackGoogleReader #euaindasoudotempo #bateusaudade #buéhashtags

...

Desabafo:

Sabem os ursinhos das ideias de merda da Avenida Q (se não sabem shame on you, e despachem-se a comprar bilhetes para o regresso em Setembro)?

Acredito piamente que não são marionetas, existem e há mesmo quem lhes dê ouvidos, a julgar pelas ideias de merda que vou tendo que gramar...

Smile and wave, já dizia o outro.

...

Penso muitas vezes sobre como devo voltar a escrever aqui. Não só sobre a minha vida aqui, mas coisas que acontecem em Portugal e no mundo, coisas sobre as quais me apetece escrever ou deixar registadas de alguma maneira. O Facebook poderia ser a melhor plataforma para isso, mas é mais uma janela para a vida de cada um e a sensação que me deixa é a de um sítio onde toda a gente pode ir debitar umas quantas frases, encetar um debate, fazer os holofotes incidir sobre si, e deixar que todo um universo de "amigos" tenha uma vista prveligiada para a nossa vida. É por isso que gosto desta plataforma e nunca a deixei morrer verdadeiramente. Além de ser já antiga e apesar de já aqui ter dado a cara tenho tão poucos seguidores/leitores e comento tão poucas vezes nos blogs que leio, que aqui acaba por ser um local mais privado e com muito menos impacto do que o meu Facebook ou o meu Instagram, onde me permito mandar umas larachas de vez e quando.

Adiante, e voltando ao início deste post, penso muitas vezes como trazer este blog à vida e sobre qual deveria ser o primeiro post. Faz mais sentido que comece onde o deixei a marinar, no final de Agosto e antes de ter vindo para França, mas parece-me que foi já há tanto tempo e já se passaram tantas coisas que me relatar essas coisas me parece anacrónico. Ainda assim, long story short:

Apanhei um avião às 6.00 da manhã depois do namorado e da BFF me terem deixado no aeroporto. Cheguei à vila onde me tinha hospedado e ao fim de uma semana já tinha percebido que a pitoresca Gif-sur-Yvette não era para mim. Razões para tal: tenho menos de 70 anos, não tenho uma família com crianças pequenas e não tenho carro, logo ficar confinada a uma vilazeca em que o supermercado mais próximo fica a 15 minutos a pé, num estúdio que afinal se situava dentro da casa dos meus senhorios septuagenários que me torceram o nariz quando disse que o meu namorado lá ia ficar um fim de semana... não era para mim!

Ter o trabalho a 15 minutos a pé era tentador, mas pela minha sanidade mental, quis sair dali e mudar-me para mais perto de Paris. Depois tive um mês de Outubro que se revelou dos mais caóticos e stressantes da minha vida (e sim, já defendi um PhD), em que não conseguia encontrar uma casa para morar e ponderei seriamente voltar para Portugal, em que esbarrei com preconceito por não ser francesa e por não ter fiadores franceses apesar de ganhar 3x mais do que o valor de aluguer pedido, tive saudades da família, das minhas gatas, dos meus amigos, do meu ginásio. Finalmente, e quando já estava em total desespero e com o fim do mês a aproximar-se e a ter que sair da casa em Gif, encontrei um estúdio no subúrbio sul de Paris chamado Bourg la Reine, a 15 minutos de comboio de Paris e a 30 minutos de Gif. Acomodei-me, fiz umas viagens ao IKEA e à loja local de bricolage, recebi família, fui a casa nas festividades e assentei com uma rotina na minha vida de suburbana de Paris.

 Et voilá, cá está a história resumida-e-onde-deixei-de-lado-todo-o-drama-de-senhoria-psico-e-louca-do-meu-primeiro-estúdio, de como finalmente me instalei num banlieue sul de Paris. 

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

.os últimos dez

A Discovery of Witches
O Meu Irmão
História do Novo Nome
World Without End
World Without End
The Handmaid's Tale
Outlander 4 - Tambores de Outono
A Viajante
A Libélula Presa no Âmbar
If This Is a Man


Lia's favorite books »