Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

À Sétima é de Vez

Musings of a scientist wannabe, ou um blog pessoal que às vezes fala um bocadinho da vida de cientista.

À Sétima é de Vez

Musings of a scientist wannabe, ou um blog pessoal que às vezes fala um bocadinho da vida de cientista.

This is not the best movie ever...

... but it is certainly one of my favorite movies ever. Falo do (500) Days of Summer.
 
Estava a ver a New Girl no-canal-de-gaja-conhecido-por-Fox-Life e lembrei-me da primeira vez que prestei atenção ao trabalho da protagonista, a Zooey Deschanel.
 
Parece que foi há uma vida, mas foi algures entre a Primavera e o Verão de 2010 que vi o (500) Days of Summer, com a Zooey Deschanel (Summer) e o Joseph Gordon-Levitt (Tom).
 
O filme é despretensioso, tem uma banda sonora pela qual me apaixonei imediatamente, fala de amor e de perda, tem diálogos muito bons, adoro a luz e o tom geral que o estreante (à data) Marc Webb lhe deu. Nada é deixado ao acaso, e se ao início parece um bocadinho random, no final conseguimos entender o propósito.
 
Não é só por estas razões que é um dos meus filmes favoritos: foi o filme certo, na altura certa da minha vida. Há coisas assim - às vezes basta uma pequena ajuda do Universo para ganharmos uma nova perspectiva na nossa vida. O (500) Days of Summer fez isso por mim, ajudou-me a olhar por outro prisma e a fazer um reality check, ajudou-me a dar o tal click que eu precisava. Sem contar que acho a banda sonora genial, e acompanha-me pretty much everywhere I go.

 

Por favor parem de me matar personagens!

Se calhar era mais feliz a ver o Big Brother Vip. O chato é que não consigo MESMO ver isso! Fico-me, por isso, por umas séries (sim, sei que há dezenas de séries boas, mas o tempo é curto pra todas!).

De Abril de 2012 a Junho de 2013 mataram-me umas nove* personagens, daquelas fofinhas e de quem eu gostava bastante.

Começou logo em Abril, quando vi a primeira e segunda temporadas de Game of Thrones de uma assentada. Nem queria acreditar (ainda não tinha começado a ler A Song of Ice and Fire, e nem um único spoiler assombrava o meu pensamento) quando algures no segundo ou terceiro episódio matam um dos lobos de estimação. Caraças, pá! Lá mais para a frente decapitam-me o Ned Stark, personagem que eu tomava por principal e que julguei um peão importante na série. Como vi logo a segunda temporada a seguir à primeira, só senti o choque inicial resultante da audácia do George R. R. Martin, e na verdade, the show must go on.

Depois disso, em Maio, foi aquele final catastrófico em Grey's Anatomy, onde só já falta sobreviver a um tsunami, ou coisa que o valha (toma notas, Shonda Rhimes). Lá se foi a Lexie Grey, a minha personagem favorita (não, não é a sofrida da Meredith e há já umas boas temporadas que nem a vejo bem) e por causa de quem chamei à Lexie, Lexie. Aí sim, fiquei tão aborrecida que fiz um voto de não-vou-ver-mais-esta-série-só-se-por-acaso-estiver-a-passar-no-canal-de-gaja-conhecido-por-Fox-Life. E depois logo em Setembro levaram-me o Mark Sloan, apesar de já não ter feito tanta mossa, uma vez que não fazia sentido na série sem a sua cara-metade.

Em Outubro tive um acidente de carro e fiquei em casa durante uns dias. Aproveitei e vi de uma só vez a primeira e a segunda temporadas de Downton Abbey, e segui, à medida que os episódios iam saindo, a terceira temporada.

Achei que era uma série que se estava a portar bem, com os enredos bem construídos e interessantes, e onde, aparentemente, não havia necessidade de matar personagens principais. Enganei-me redondamente. Assim que tive esta falsa sensação de segurança, pimba, arrancam-me a Lady Sybil sem dó nem piedade. Pensei que já tinha tido a minha dose de mortes trágicas até ao final de 2012, afinal nenhum autor que se preze vai matar duas personagens principais numa única temporada, quando a próxima já foi anunciada, certo? Errado! Quando menos se espera, após cinquenta minutos de episódio fofinho, depois de coisas fofinhas acontecerem na vida das personagens, eis que a desgraça se abate sobre os Crawley e me matam o Matthew! Juro que achei que não estava a ver bem. Tive que voltar atrás. Duas vezes.

Chegamos depois a Junho de 2013. Os episódios finais de Game of Thrones aproximam-se, e se em 2012 fui apanhada de surpresa, agora já estava (mais ou menos) ciente do que ia acontecer. Mas ler o Red Wedding numa página da Wikipedia é bastante diferente de ver a cena a desenrolar-se. Quer dizer que é mesmo a sério. Adeus personagens, adeus Robb e Catelyn, foi um prazer. Obrigadinha George R. R. Martin por esta facadinha no final de um ano em que tive que me despedir de pessoas de ficção a quem me tinha ligado emocionalmente.


* E sim, estou aqui a contar com a Lady e o Grey Wind, que me fizeram deitar uma lagrimita (atenção que a Lexie Grey me fez soltar uma barragem).

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

.os últimos dez

A Discovery of Witches
O Meu Irmão
História do Novo Nome
World Without End
World Without End
The Handmaid's Tale
Outlander 4 - Tambores de Outono
A Viajante
A Libélula Presa no Âmbar
If This Is a Man


Lia's favorite books »